Notícias / Reflexões para uma escolha profissional consciente

Reflexões para uma escolha profissional consciente

Por Leo Fraiman – psicoterapeuta, autor e palestrante. Autor do livro “Dicionário e Guia de Profissões”

 

Pergunte a si mesmo: “Já tenho informações suficientes sobre as profissões que me interessam? Já li bastante sobre elas em sites, guias, etc.? Já estive diante de pessoas que atuam nessas áreas? Já fui a eventos informativos? Estou mesmo por dentro?” Se a resposta for  “sim”, as técnicas que vou descrever aqui ajudam.

Reflita e responda: “No fundo, estou indeciso ou com medo de me arrepender? Estou com dificuldade de escolher ou estou sendo mimado, não querendo perder nada? Estou pronto para assumir uma identidade nova na minha vida? Estou preocupado demais com o que os outros vão pensar?”.

Muitas vezes, o medo de escolher vem da vontade de não ser reprovado, de saber se os outros vão aprovar a sua escolha ou do receio de frustrar os pais. Nenhum desses motivos deveria impedir uma escolha autêntica. Para isso é que existem as nossas virtudes, para serem usadas nesses momentos difíceis. Veja abaixo mais algumas dicas:

1- Veja no espelho da alma. Pratique esta meditação: todas as manhãs, antes de se levantar da cama, fique sentado e por 10 minutos mantenha-se em silêncio, refletindo como seria se você se olhasse num espelho com os olhos da mente. Peça à sua mente para que apareça na sua frente o nome de uma profissão que tenha realmente algo a ver contigo. Dessa maneira, você acessa seu cérebro emocional, que é o cérebro de seus desejos e daquilo que realmente tem significado e propósito na sua vida. O interessante é fazer esse exercício diariamente por alguns dias seguidos.

2- Escute o seu cérebro emocional. Escreva em uma folha de papel o nome de todas as profissões que existem e faça um relaxamento profundo. Uma boa opção é realizar, diariamente, um relaxamento. Logo que acabar de fazer o exercício, anote, na lista que você criou, a profissão que parece ter mais a ver com você. Observe como, em alguns dias, certas profissões se tornam , naturalmente, mais grifadas do que as outras. Essa é a sabedoria natural do seu cérebro emocional indicando-lhe o caminho.

3- Faça a corrida da vontades. Recorte fichas de 5cm x 5cm e escreva nelas o nome de todas as profissões que você encontrar. Depois de escrever, espalhe as fichas em cima de sua cama ou escrivaninha e separe-as em três grupos:

  • aquelas que eu realmente gostaria de fazer;
  • aquelas que estou em dúvida; e
  • aquelas que, com certeza, não tem nada a ver comigo

Depois de dispor as fichas, leia a descrição de todas as profissões, inclusive daquelas que não o interessam em um primeiro momento. Procure se informar sobre cada uma delas para ter certeza de você pode realmente descartá-las. Em seguida, junte as fichas das profissões que você tem certeza de que gostaria de seguir com as que ainda existe dúvida. Separe, então, as profissões que mais despertaram seu interesse e coloque-as lado a lado. À medida que você for aumentando seus conhecimentos das respectivas profissões, ao longo do seu processo de escolha profissional, mude a posição das fichas que contém as profissões que mais o agradam. Por exemplo, no dia em que você estudar as descrições das profissões, avance um passo naquelas que mais o interessarem; num outro dia em que você estudar as ocupações, avance com as que mais se identificar e assim por diante, fazendo uma espécie de corrida para ver qual profissão que preenche todos os critérios, ou quase todos, que serão levados em consideração no momento de escolha profissional.

A vantagem de fazer uso das fichas é que, como esse material fica à vista, você acaba se cobrando para resolver esse dilema e, assim busca mais informações, sem deixar para depois ou para os outros fazerem isso por você.

4- Se precisar, faça psicoterapia. Se você precisar aumentar seu autoconhecimento, se a ‘barra estiver pesada” ou se desejar compartilhar este importante momento com alguém “de fora” da sua família, alguém que seja neutro e ajude-o com carinho, respeito e profissionalismo, procure um psicoterapeuta da sua confiança e inicie um trabalho focado nessas questões.

Compartilhar